Make your own free website on Tripod.com


Contos da Noite

Página 3



Sombra


Era noite de segunda-feira chuvosa, ninguém caminhava nas ruas da cidade, pelos vidros embaçados de meu quarto avistava apenas ratazanas a correr de um latão de lixo para o outro no beco. Eu já estava parado ali a horas observando o vai e vem desses bichos quando notei que eles pararam de andar como se algo estivesse por perto. Achei estranho, mas de repete todos aqueles animais correram desenfreadamente de um lado para outro como se não soubessem o que fazer, tentei descobrir o que estava acontecendo apenas me movendo na frente da janela para ver alguma coisa, mas não havia nada, olhava para os lados e nada além do nevoeiro e da chuva que caia no beco, olhei novamente para o chão tentando visualizar as ratazanas mas não havia mais nenhuma, apenas uma imensa sombra no local, focalizei melhor os olhos para ter certeza do que via, pois uma sobra numa noite chuvosa era uma coisa estranha para se ver, mas ela estava lá. Não acreditando no que meus olhos mostravam, vesti meu sobretudo negro que estava pendurado no mancebo, calcei minhas botas rapidamente e desci pelas escadas, abri a porta e a chuva caiu em meus olhos, molhando minha cara e me cegando por alguns segundos, dei a volta na casa para chegar ao beco, corria feito louco pela chuva, mas o beco estava ali, próximo, bem a minha frente. Foi quando tropecei e cai. Abri os olhos ainda no chão, notei que estava no beco, estava em cima da sombra que avistara de minha janela, passei a mão no chão para tentar me levantar e notei que aquilo não era uma sombra, era sangue. Era uma enorme mancha de sangue sujo no chão. O sangue se misturava com a podridão e os latões de lixo do beco, a água se misturava com o sangue, algumas carcaças que estavam mais longe, levantei repentinamente enojado por minha descoberta quando um vulto atravessou meu caminho, mas não consegui deduzir o que era, pois foi muito rápido e a chuva atrapalhava, procurei ao redor, mas a chuva não me deixava enxergar, foi quando me senti preso, tentei lutar em vão, a última coisa que vi e senti foram duas presas com uma réstia de sangue penetrarem em meu pescoço me fazendo sofrer por algum tempo, o dono daquelas presas me fez sofrer , arrancou meu sangue e minha vida aos poucos, fez surgir toda minha loucura, fez surgir o pior de mim, e finalmente me deixou morrer..


Deus da Noite




Espera


EIÁ, VAMOS!! ANDEM CAVALOS DOS INFERNOS!!! Gritava o cocheiro da grande carruagem negra com rodas vermelhas e detalhes de cabeça de serpente sobre o teto. Dois Cavalos negros corriam e puxavam a carruagem num desfiladeiro a beira mar numa noite de tempestade e mar bravio, dentro da carruagem uma dama e uma criança mortal de alguns seis meses de idade, na flor da idade se comparada a mim, a carruagem andava rapidamente e perigosamente para o momento em que se encontrava, curvas fechadas e escorregadias pela chuva em seu caminho, nada mais do que uma queda livre para o mar caso se desgovernasse. Eu estava bem acima, no topo das montanhas olhando a cena, se olhassem para cima com certeza me enxergariam com minha grande capa negra e vermelha e rosto pálido, refletindo os raios que caiam perto de mim, mas as chuvas e a pressa do cocheiro branco, vestido a rigor com seu chicote na mão que machucava os cavalos jamais me enxergaria naquela tempestade, foi quando a dama falou a escrava que a acompanhava para pedir ao cocheiro que diminuísse a velocidade, colocando a cabeça para fora a escrava gritou para o cocheiro: Mais devagar!!! A criança esta assustada com seus gritos!!! — mas devido a chuva e trovões o cocheiro não escutou e continuava em disparada — o imbecil não escutou — comentou tentando fazer a criança calar-se. A tempestade continuava, a criança chorava e a carruagem ia cada vez mais alto no desfiladeiro, tudo contribuía para um ataque, mas resolvi aguardar; minha sede não estava tão grande e era possível uma espera. Eu tinha certeza que aqueles mortais estavam dirigindo-se para seu fim era tudo uma questão de espera.


Deus da Noite




Desejo


A noite estava fria, uma garoa fina caia sobre a cidade coberta por um nevoeiro fraco porém visível. Eu caminhava sem destino dentro da noite, andava, não pensava em nada, apenas caminhava. Olhava a rua com pouco movimento, alguns carros cruzavam as avenidas a minha frente, mendigos e bêbados andavam pelas calçadas, nada merecia minha atenção naquele momento. Sentia-me só aquela noite, queria que aquela sensação de tristeza que me dominava se extinguisse, queria sorrir novamente como sorrira quando estava a conversar ou mesmo a caçar com meu mestre, queria sentir aquela sensação que os mortais sentem quando estão junto de pessoas que amam, queria o contato, o calor da amizade ou mesmo de um amor que hoje não existe, queria alguém comigo, apenas uma companhia, nada mais. Aquela solidão me maltratava diariamente, corroía minha mente com sensações e lembranças, era perigoso para mim e para quem me rodeava, eu sabia disso, mas não podia controlar aquela emoção, sentia um nó no peito (sensação ainda mortal, mas o que fazer?) era a solidão que me amargurava. Era a saudade que me fazia companhia. Estava solitário a muito tempo, desde que meu senhor partiu para entregar sua alma a Caim, eu mudara meus hábitos, estava sozinho e amargurado. Havia vingado a morte de meu senhor, mas agora estava sem destino, apenas caminhando por entre as ruas junto com minhas lembranças e minhas saudades. Algumas lembranças vinham-me a mente e lágrimas de sangue rolavam por meu rosto, as lembranças me amarguravam, me feriam profundamente, aquilo era terrível, não o desejo para ninguém. Nem o mais perverso ser que possa existir é merecedor de tamanha dor. Ah, aquele passado que me acompanhava, como gostaria de vivê-lo novamente. Fico pensando qual seria o meu desejo se me fosse concedido um. Julgo que seria um desejo diferente, não qualquer desejo, mas algo que sei que é impossível. Impossível de realizar-se. Tudo o que desejava não poderia mais voltar, jamais, pelo menos não idêntico ao que era, pois faltavam coisas, pessoas, itens importantes que já deixaram de existir. Meu desejo senhores, seria impossível. Eu desejava a volta do passado, é, a volta do passado, consertar o que hoje não tem conserto, fazer existir o que hoje é inexistente. Curar os machucados que ainda não cicatrizaram e sangram me trazendo muito dor. Gostaria de reconstruir o passado, ganhar o que foi perdido e sorrir ao invés de hoje chorar por me lembrar desse passado. Sinto muito meus amigos, mas não tenho como continuar a narrar-lhes esta história, as lágrimas rolam novamente por meu rosto e consigo trazem as lembranças que gostaria de descrever-lhes, mas ainda é impossível.


Deus da Noite




Vitória


Acabei de sair de meu topor noturno, a fome cresce em meu estômago, devo dizer-lhes que isso deixa-me com uma aparência mais pálida, mais monstruosa há muito tempo estou trancafiado em meus sonhos, sou seu servo, seu súdito e venho agindo de acordo com a lei de minha mente. Sou considerado um louco pelos meus "irmãos", um sem juízo, um vagabundo, mas provo a todos que sou melhor que eles, sou quase um deus comparado a eles, sou mais forte, mais inteligente e bem mais esperto, mas minha maior vantagem é minha "loucura", ela que faz-me pensar diferente apenas isso, não acho que um comportamento que não se iguala seja considerado loucura. Qual o motivo que leva a todos a pensar que isso é uma coisa malévola? Tomem a minha pessoa ou melhor considerando, tomem o meu ser como exemplo, porque eu sou um louco e não você? Você que se deixa dirigir, você que se deixar guiar, que é conduzido por leis que os humanos inventaram que criaram para proveito próprio. Pensem que essas leis nem sempre são justas, que essas leis invalidam pessoas com características diferentes dizendo que essas são loucas só porque não se comportam do jeito que muitos desejam ou mesmo aquelas que como eu pensam de modo diferente. Sou um ser sinistro, algo desconhecido, vivo no mundo porém não pertenço a ele. Acabei me adaptando de uma forma sem explicação por motivos de sobrevivência, sou forte mentalmente, louco, como alguns me chamam, mas o que digo é o que penso, apenas isso eu PENSO, mesmo que seja um pensamento "torto", mas penso e nada é mais poderoso do que essa força mental. Posso as vezes fraquejar, pois não sou forte o bastante para lutar sozinho, as barreiras para abrir caminhos são sempre mais difíceis do que seguir por aqueles que já se abriram e que outros seguem por elas, as vezes acho que minha transformação ajudou-me a "pensar" assim, fui abraçado a muito tempo atrás por uma mulher, que era frágil e forte ao mesmo tempo, era tomada por acessos de fúria incontroláveis o que lhe pesava logo após e o que lhe valia o titulo de louca, mas o que existia nela era ilusões, sonhos, tudo o que muitos têm mas não os expõe, porém isso apenas lhe trouxe sofrimento, pois muitos desses sonhos, ou quase todos foram perdidos graças a incompreensão de seres fracos e mesquinhos que se firmam em pedaços podres, que vão se alastrando e apodrecendo mais pedaços e fazem sofrer àqueles que lutam que não desejam apodrecer daquela maneira. Sou fruto de uma vampira que lutou sozinha, sofreu sozinha e não fraquejou na frente daqueles que a faziam sofrer, que lutou e sobreviveu pelos tempos, e que ainda sobrevive, mas estou me adiantando, deixem-me contar a história de Vitória, o nome de minha mãe-vampira. Vitória, recebera seu "abraço" há muito tempo atrás na Europa era a única filha de um militar muito poderoso casado com uma dama da sociedade, feiticeiros disfarçados por motivos óbvios, a igreja não aceitava rituais pagãos, e arruinavam quando não matavam a vida de quem os praticava, mas deixemos para la esses fatos, deixem-me continuar a história, Vitória, era uma garota infeliz , ao contrário de muitas senhoritas da época, seu pai morreu em combate quando ela ainda era uma criança, a partir dai passou a ser explorada por sua mãe. Viveu anos sem sair de seu castelo, trancada entre bonecas e os olhos "cuidadosos" de sua carcereira severa, em seus castigos atormentava, isolava e maltratava sua filha, muitos achavam que a garota era insana, pois poucas vezes a viam e sempre ouviam seus gritos atormentados. Muitos anos passaram nessa vida atormentada, até que um dia, já adulta Vitória discutiu ferozmente com sua mãe e foi mandada para um convento, onde não ficou muito tempo, brigava ferozmente com as suas superiores e proferia palavras que levavam a crer que ela era possuída pelo demônio, mas ela fugiu, Vitória fugiu e conheceu um rapaz noites após a sua fuga, alto, bonito e galante o cavalheiro concedeu a Vitória muitas mordomias, mas pouco sua presença, ele vinha sempre a noite e conversavam muito, quando indagado a respeito de seus afazeres diurnos, desconversava, mas como ela era sua hóspede aceitava e mudava de assunto. Alguns anos se passaram até que Vitória percebeu que não podia sair do castelo do rapaz, dera-se conta que ele a tinha dominado e que ela mesmo assim estava apaixonada por ele, então quando o viu atirou-se nos braços do rapaz pálido e não sentiu nada além do profundo amor fluindo do seu pescoço, seu sangue era drenado, mas ela não se dava conta, ela sentia o êxtase, o maldito prazer da carne como era chamado no convento, ela estava sentido algo que nunca em sua vida experimentara, o rapaz lhe sugava o sangue e ela desfalecia-se em profundo êxtase em seus braços. Deitada em sua cama Vitória acordou, pensando ter sonhado sentou-se na cama e viu o rapaz que lhe mandou novamente deitar, com uma adaga Michael fez um corte em seu pulso, o sangue começou a correr pela lamina da adaga e a respingar nos tecidos da roupa de cama, Vitória assustada tentou levantar-se para acudir seu amado, mas este segurou-lhe com uma força que nunca havia imaginado que ele possuísse, Michael inclinou a cabeça de Vitória para trás e fez seu sangue escorrer pela boca de Vitória, no primeiro contato do sangue de Michael com a boca de Vitória a sede de quem havia perdido todo o sangue saltou-lhe a sua vontade, e ela começou a drenar o sangue de Michael que também entrava em êxtase, sentiam-se nas nuvens e Michael aproximou-se do pescoço de Vitória e enterrou suas presas, enquanto um sugava o sangue do outro, ambos se amavam, se deliciavam e trocavam a única sensação que podiam, amor, durou muito tempo até que Michael se desvencilhou, fraco correu em direção a porta, e desapareceu. Vitória ficou anos a esperar o retorno de Michael, porém ele não voltou, e mais uma vez, ela viu-se só, aprendeu a utilizar-se de seus poderes e passou a percorrer o mundo, até que um dia encontrou-me e também transformou a mim em um servo da noite.


Deus da Noite




Cronologia Vampírica


1407 - A palavra "upir" ,em suas primeiras aparições que mais tarde se tornaria "vampiro" num documento que se refere ao príncipe russo como "Upir Lichy".
1428 - Nasce o tão famoso Vlad Tepes,filho de Vlad Dracul.
1436 - Vlad Tepes se torna o príncipe da Wallachia e vai para Tirgoviste.
1442 - Vlad Tepes e seu pai são aprisionados pelos turcos.
1447 - Vlad Dracul é decaptado.
1448 - Vlad conquista por um breve tempo o trono da Wallachia, porém destronado se dirige à Moldávia, onde se torna amigo do príncipe Stefan.
1451 - Vlad e Stefan fogem para a Transilvânia.
1456 - Uma pessoa de nome John Hanyadi ajuda Vlad a ter o trono da Wallachia,mas Vladislav Dan é executado.
1458 - Aparece Mathias Corvinus que sucede a John Hanyadi como o rei da Hungria.
1459 - Massacre dos boiardos na Páscoa e a reconstrução do Castelo de Drácula. E Bucareste é estabelecida como o segundo centro de governo.
1460 - Ataque sobre a cidade de Brasov, Romênia.
1462 - Após a batalha no Castelo de Drácula, Vlad vai para a Transilvânia. E inicia um período de 13 anos na prisão.
1475 - As guerras de verão na Sérvia são contra os turcos e em novembro : Vlad retoma o trono da Wallachia.
1476 - Vlad é assassinado.
1560 - Nasce Elizabeth Bathory.
1610 - Bathory é presa por Ter matado centenas de pessoase de ter nadado em seu sangue. Ela é julgada e condenada recebendo a sentença de prisão perpétua.
1614 - Elizabeth Bathory morre.
1645 - Leo Allatius escreve o 1st Tratado moderno sobre os vampiros; "De graecorum hodie quirudam opinatio nabus.
1657 - Fr.Françoise Richard associa o vampirismo à bruxaria qdo escreve "Relation de ce s'est passé à Sant-Erini Isle de L'Archipel ".
1672 - Uma terrível onda de histeria varre Istra.
1679 - Philip Rohr escreve um texto alemão sobre vampiros de título : "De Masticatione Mortuorum ".
1710 - A histeria do vampiro varre a Prússia oriental.
1725 - A histeria do vampiro volta à Prússia oriental.
1725/30 - A histeria do vampiro continua na Hungria.
1725/32 - A onda da histeria do vampiro na Sérvia austríaca produz os famosos casos de peter PlogojoWitz e Arnold Paul (Paole).
1734 - A palavra vampyre entra para a língua inglesa traduzida de relatos alemães sobre as ondas de histeria vampírica européias.
1744 - O Cardeal Giuseppe Davanzati publica seu tratado Dissertazione sopre I Vampiri.
1746 - Dom Augustin Calmet publica seu tratado sobre os vampiros, Dissertations sur les Apparitions des Anges, des Démons et des Espirits, et sur les revenants, et Vampires de Hundrie, de Bohême, de Moravie, et de Silésie.
1748 - É publicado o primeiro poema moderno de vampiros, "Der Vampir", por Heinrich August Ossenfelder.
1750 - Outra onda de histeria vampírica ocorre na Prússia oriental.
1756 - A histeria do vampiro atinge o pico na Wallachia.
1772 - A histeria do vampiro ocorre na Rússia.
1797 - Publicação do poema de Goethe "Bride of Corinth" (poema concernente ao vampiro).
1780-1800 -  Samuel Taylor Coleridge escreve "Christabel", considerado hoje como o primeiro poema sobre vampiros em inglês.
1800 - I Vampiri, ópera de Silvestro de Palma, estréia em Milão, Itália.
1801 - "Thalaba", de Robert Southey, é o primeiro poema a mencionar a palavra vampiro, em inglês.
1810 - Circulam no norte da Inglaterra relatos de ovelhas com a jugular cortada e o sangue drenado. Publicação de "The Vampyre", de john Stagg, um dos primeiros poemas sobre vampiros.
1813 - O poema de Lord Byron, "The Giaour", inclui o encontro de um herói com um vampiro.
1819 - The Vampyre, de John Polidori, a primeira história de vampiros em inglês, é publicada na edição de abril do New Monthly magazine. John Keats compõe "The Lamia", um poema calcado em antigas lendas gregas.
1820 - Lord Ruthwen ou Les Vampires, de Cyprien Berard, é publicado anonimamente em paris, em 13 de junho; Le Vampire, a peça de Charles Nodier, estréia no Théâtre de la porte Saint-Martin, em Paris; agosto: The Vampire; or the Bridge of the Isles, uma tradução da peça de James R. Planché, estréia em Londres.
1829 - Março: a ópera de Heinrich Marshner, Der Vampyr, baseada na história de Nodier, estréia em Leipzig.
1841 - Alexey Tolstói publica seu conto, "Upyr", quando morava em Paris. É a primeira história moderna sobre vampiros escrita por um russo.
1847 - Nasce Bram Stoker. Começa a longa seriação de Varney the Vampire.
1851 - A última obra dramática de Alexandre Dumas, Le Vampire, estréia em Paris.
1854 - O caso do vampiro na família Ray, de Jewett, Connecticut, é publicado nos jornais locais.
1872 - Sheridan Le Fanu escreve "Carmilla". Vincenzo Verzeni, na Itália, é condenado por assassinar duas pessoas e por beber seu sangue.
1874 - Relatos de Ceven, na Irlanda, informam que ovelhas tiveram seus pescoços cortados e seu sangue drenado.
1888 - Editado o Land Beyond the forest, de Emily Gerard. Vai se tornar a fonte principal de informações sobre a Transilvânia para o Drácula, de Bram Stoker.
1894 - O conto de H. G. Wells, "The Flowering of the Strange Orchid", é o precursor das histórias de ficção científica sobre vampiros.
1897 - Drácula, de Bram Stoker, é publicado em Londres. "The Vampire", de Rudyard Kipling, se torna uma inspiração para a criação do vampiro como um personagem estereotipado no palco e na tela.
1912 - The Secret of House N° 5, possivelmente o primeiro filme sobre vampiros, é produzido na Grã-Bretanha.
1913 - É publicado Drácula's Guest, de Stoker.
1920 - Drácula, o primeiro filme baseado no livro, é produzido na Rússia. Não há cópias.
1921 - Cineastas húngaros produzem uma versão de Drácula.
1922 - Nosferatu, um filme mudo alemão, é produzido pela prana Films, é a terceira tentativa de filmar Drácula.
1924 - A versão de Drácula para o palco, de Hamilton Deane, estréia em Derby. Fritz Haarmann, de Hanover, Alemanha, é preso, julgado e condenado por matar mais de vinte pessoas numa orgia criminal vampírica. Sherlock Holmes tem seu único encontro com um vampiro em "The case of the Sussex Vampire".
1927 - 14 de fevereiro: versão para o palco de Drácula estréia no Little Theater de Londres. Outubro: a versão americana de Drácula, estrelando Bela Lugosi, estréia no Fulton Theater de New York. Tod Browning dirige Lon Chaney em London After Midnight, o primeiro longa-metragem sobre vampiros.
1928 - A primeira edição do influente trabalho de Montague Summers, The Vampire: His Kith and Kin, aparece na Inglaterra.
1929 - O segundo livro de Montague Summers, The Vampire in Europe, é publicado.
1931 - Janeiro: avant-première da versão espanhola Drácula. Fevereiro: versão americana para o cinema, Drácula, com Bela Lugosi, estréia no Roxy Theater, em New York. Peter Kürten, de Dusseldorf, Alemanha, é executado após ser julgado culpado de assassinar várias pessoas numa orgia vampírica.
1932 - Lançado o altamente aclamado filme Vampyr, dirigido por Carl Theodor Dreyer.
1936 - Lançado o filme Drácula's Daughter, pela Universal Pictures.
1942 - "Asylum", a primeira história sobre um vampiro alienígena, de A. E. Van Vogt.
1943 - Son of Drácula (Universal Pictures) com Lon Chansey, Jr., como Drácula.
1944 - John Carradine interpreta Drácula pela primeira vez em Horror of Frankenstein.
1953 - Drakula Istanbula, um filme turco adaptado de Drácula, é lançado. Eerie N° 8 inclui a primeira história em quadrinhos adaptada de Drácula.
1954 - O código das histórias em quadrinhos bane os vampiros. I Am Legend, de Richard Matheson, apresenta o vampirismo como uma doênça que altera o corpo.
1956 - John Carradine interpreta Drácula na primeira adaptaçãopara a televisão no programa Matinee Theater. Kyuketsuki Ga, o primeiro filme japonês sobre vampiros, é lançado.
1957 - O primeiro filme italiano sobre vampiros, I Vampiri, é lançado. O produtor americano Roger Corman faz o primeiro filme de ficção científicas sobre o vampiro, Not of This Earth. El Vampiro, com German Robles, é o primeiro de uma série de filmes mexicanos sobre vampiros.
1958 - A Hammer Films, da Grã-Bretanha, inicia uma nova onda de interesse pelos vampiros com o seu primeiro filme Drácula, lançado nos Estados Unidos como The Horror of Drácula. O primeiro número de Famous Monsters of Filmland assina um novo interesse pelos filmes de Horror nos Estados Unidos. 1959 - Plan 9 From Outer Space é o último filme de Bela Lugosi.
1961 - The Bad Flower é a primeira adaptação coreana de Drácula.
1962 - Fundação da Count Drácula Society, em Los Angeles, por Donald Reed.
1964 - Parque de juegos é o primeiro filme sobre vampiros produzido na Espanha. The Munsters e A Família Addams, duas comédias de horror com personagens vampíricos, abrem a temporada de outono na televisão.
1965 - Jeanne Youngson funda The Count Dracula Fan Club, The Munsters, baseado na série de TV do mesmo nome, é a primeira série de histórias em quadrinhos que destaca um personagem vampírico.
1966 - Dark Shadows estréia na rede ABC, na programação da tarde.
1967 - Abril: No episódio 210 de Dark Shadows, o vampiro Barnabas Colins faz sua primeira aparição.
1969 - O primeiro número de Vampirella, a história em quadrinhos de maior duração até hoje, é lançado. Denholm Elliott faz o papel-título na série Drácula, produção televisiva da BBC. Does Dracula Really Suck? (Drácula and the Boys) é lançado como o primeiro filme a apresentar um vampiro gay.
1970 - Christopher Lee estrela em El Conde Drácula, adaptação espanhola de Drácula. Sean Manchester funda the Vampire Reserarsh Society.
1971 - A Marvel Comics lança a primeira cópia de um livro sobre vampiros pós-Código das histórias em quadrinhos, The Tomb of Drácula. Morbius, o Vampiro Vivo, é o primeiro novo personagem introduzido após a revisão do código que permitiu o reaparecimento de vampiros em histórias de quadrinhos.
1972 - The Night Stalker, com Davis McGavin, se torna o filme de TV mais assistido até essa data. Vampire Kung-Fu é lançado em Hong Kong como o primeiro de uma série de filmes de artes marciais vampíricos. In Search of Drácula, de Raymond T. McNally e Radu Florescu, introduz Vlad, o Empalador, o Drácula histórico, ao mundo dos fãs do vampiro contemporâneo. A Dream of Drácula, de Leonard Wolf, complementa o trabalho de McNally e de Florescu ao chamar atenção para a lenda do vampiro. True Vampire of History, de Donald Glut, é a primeira tentativa de juntar as histórias de todas as figuras históricas de vampiros. Stephen Kaplan funda The Vampire Research Center.
1973 - A versão Drácula, da Dan Curtis Productions, apresenta o ator Jack Palance num filme feito para a TV. Vampires, de nancy Garden, inicia uma onda de literatura juvenil para crianças e jovens.
1975 - Fred Saberhagen propõe que seja Drácula mais como herói do que como vilão em The Drácula Tape. The world of Dark Shadows é fundada como a primeira fanzine Dark Shadows.
1976 - Publicação do livro Interview with Vampire, de Anne Rice. Stephen King é recomendado para o world Fantasy Award por seu romance Salem's Lot. Shadowcon, a primeira convenção nacional Dark Shadows, é organizada pelos fãs de Dark Shadows.
1977 - Uma nova e dramática versão de Drácula estréia na Broadway, com frank Langella. Lois Jordan faz o papel principal em Count Drácula, uma versão de três horas do romance de Bram Stoker, na TV BBC. Martin V. Riccardo funda o Vampire Studies Society.
1978 - O livro Hotel Transylvania, de Chelsea Quinn Yarbro, junta-se aos volumes de Fred Saberhager e Anne Rice como um terceiro grande esforço para iniciar uma reavaliação do mito do vampiro durante a década. Eric Held e Dorothy Nixon fundam o Vampire Information Exchange.
1979 - Baseado no sucesso da nova produção de Broadway, a Universal Pictures refilma Drácula (1979), com Frank Langella, A gravação pela banda Bauhaus de "Bela Lugosi's Dead", torna-se o primeiro sucesso do novo movimento de rock gótico. Shadowgram é fundada como uma fanzine Dark Shadows.
1980 - A Bran Stoker Society é fundada em Dublin, na Irlanda. Richard Chase, conhecido como o Drácula assassino de Sacramento, Califórnia, comete suicídio na prisão. A world Federation of Dark Shadows Clubs (atualmente Dark Shadows Official Fan Clubs) é fundada.
1983 - Na edição de dezembro de Dr. Strange, o ás ocultista da Marvel Comics mata todos os vampiros do mundo, banindo-os assim das histórias em quadrinhos pelos seis anos seguintes. É fundado o Dark Shadows Festival para anfitriar a convensão anual de Dark Shadows.
1985 - Publicação do livro The Vampire Lestat, de Anne Rice, que alcança a lista dos best-sellers.
1989 - A derrubada do ditador romeno Nicolae Ceaucescu abre a Transilvânia para os fãs de Drácula . Nancy Collins ganha o Bram Stoker Award por seu romance Sunglasses After Dark.
1991 - Vampire: The Masquerade, o mais bem sucedido role-playing game, ou RPG, é lançado por White Wolf.
1992 - Estréia Bram Stoker's Drácula, dirigido por Francis Ford Coppola. Andrei Chikatilo, da Rússia, é condenado à morte após matar e vampirizar cerca de 55 pessoas.
1994 - A versão cinematográfica de interview with Vampire, de Anne Rice, estréia com Tom Cruise no papel do vampiro Lestat e Brad Pitt como Louis.

Denise M.G. (^Mekare)




[ Anterior ]

Copyright ©1999 Darkside Software's Company - KG Corporation ™ - KG Empreendimentos de RPG ™. All Rights Reserved