Make your own free website on Tripod.com

§ Filhos de Osíris §


Embora muitos Membros tenham ouvido falar desse estranho grupo de vampiros, poucos acreditam que ele já existiu, e aqueles que acreditam sustentam que todos seus integrantes foram destruídos. Na verdade, os Filhos de Osíris ainda existem, muito secretamente, e seus integrantes são inimigos milenares dos Seguidores de Set.

História

Há muito tempo, ao longo do Rio Nilo, uma guerra foi travada entre dois Membros, Sutekh (que mais tarde foi chamado Set) e Osíris. Possuindo pontos de vista violentamente opostos, cada um mandou suas Crianças da Noite atacarem as do outro. Enquanto os Seguidores de Set representavam as coisas mais sombrias do mundo, os Filhos de Osíris desejavam um retorno aos valores da existência, a preservação da preciosa Humanidade. Set acabou sendo derrotado, mas não antes que seus seguidores tivessem conseguido destruir a maioria das Crianças da Noite de Osíris.

Filósofo numa grande corte egípcia, Osíris foi Abraçado por um aristocrata poderoso que desejava compartilhar com ele os prazeres da Noite (e usar suas habilidades no Jyhad, que então se acirrava). Porém, Osíris sentiu-se repelido por seus novos poderes e pelo rosnar profundo da Besta, que abalava seu espírito. Ele empregou antigos métodos de meditação para escapar aos horríveis desejos de seu novo corpo. Usando de sua grande força de vontade, ele atingiu um controle inacreditável sobre suas virtudes. Mas o preço foi uma pós-vida de muita abstinência e disciplina.

Seu caminho diferia da Golconda porque seu estado místico não era permanente, dependendo de uma disciplina rígida e de regras dogmáticas de comportamento. Mas se tais regras fossem praticadas diligentemente, um vampiro poderia impedir que sua humanidade caísse, e assim obter novos poderes.

Ele pregou o seu caminho recém-encontrado aos outros vampiros. Alguns se juntaram a ele, procurando controlar a Besta que ele tinha evidenciado em si mesmo. Seu caminho foi marcado por um sentimento intenso de renascimento após a conquista do estado de consciência sobre o qual pregava. Desta forma, os Filhos de Osíris cresceram. E também o ódio de Set e seus seguidores.

No incidente mais famoso da guerra, o próprio Set arrancou membro por membro de Osíris, e espalhou seu corpo pelos quatro cantos da terra. A primeira seguidora de Osíris, Ísis, procurou por todo o mundo as partes do corpo de seu mestre, torcendo desesperadamente para poder trazê-lo de volta, mas temendo que seria impossível até mesmo para um vampiro sobreviver a essa destruição. Após uma busca muito árdua, ela finalmente reconstituiu o corpo de Osíris. Todas as suas Crianças da Noite deram seu sangue para revivê-lo. À medida que derramavam seu sangue pelas veias danificadas, a carne começou a se recompor, e juntou-se novamente num todo. Os olhos de Osíris se abriram e ele se levantou. Seus filhos foram tomados por uma grande alegria. Através de sua força de vontade, ele havia mantido sua consciência mesmo na Morte Final, e retornara dela.

Mas esse esquartejamento deixou uma seqüela. Depois de seu renascimento, seu sangue não era mais os mesmo: depois disso ele nunca mais criou Progênie. O sangue ainda podia curar suas feridas, mas ele não tinha poder para criar outros vampiros, ou mesmo transformar mortais em Carniçais. Desde essa época, nenhum Filho de Osíris gerou sua própria Progênie. Seus integrantes provêem dos vampiros que se desiludiram com seus clãs.

Condição Atual

Os Filhos de Osíris perderam contato com seu senhor logo depois que Set desapareceu. Desde então, os Filhos de Osíris pregam a filosofia e as disciplinas de seu senhor. O mestre atual do grupo, chamado de Grande Rei Imortal, é um dos últimos filhos diretos de Osíris, nascido antes de seu senhor se tornar incapaz de criar outros. Sua localização é desconhecida para a maior parte dos integrantes do clã, mas ele ocasionalmente aparece quando surge uma chance de frustrar os planos dos Seguidores de Set. Graças aos métodos altamente secretos dos Filhos de Osíris, os Seguidores de Set acreditam que eles estão extintos. O clã usa apenas aliados e lacaios para agir no lugar de seus integrantes. Suas tradições extremamente ascéticas requerem que eles não se arrisquem nas impurezas do mundo ou da Família. Eles costumam deixar seus Refúgios secretos para recrutar novos integrantes, mas os candidatos são muito raros, sendo os convites extendidos apenas aqueles que já estão inclinados às verdades místicas.

Motivos

Suas preocupações principais residem em manter sua Humanidade e suas Virtudes. Para fazer isto, precisam praticar longos rituais de meditação e seguir regras rígidas de comportamento. A santidade de um templo lhes é muito útil; alguns acreditam que se eles não puderem meditar em seus locais purificados, suas virtudes degenerar-se-ão rapidamente.

Os Filhos de Osíris odeiam os Seguidores de Set, e seus únicos contatos com a Família, além do recrutamento, é atacar os Seguidores. A guerra das drogas que atualmente está assolando os EUA tem servido como uma ótima cobertura para atacar os lacaios criminosos dos Seguidores de Set. De vez em quando, um Filho de Osíris poderá agir contra o Sabbat, que eles consideram meros imitadores dos Seguidores de Set.

Métodos

Os Filhos de Osíris empregam o Método Místico para alcançar seus objetivo. Ocasionalmente, usarão o Método Manipulativo para destruir os Seguidores de Set à distância, sendo cuidadosos em não deixar para trás nenhum indício de que eles ainda existem.


Aparência: Suas características físicas variam, porque eles escolhem seus recrutas em vários outros clãs, inclusive o Nosferatu. Costumam vestir robes impecavelmente brancos, às vezes com símbolos místicos e mandalas bordadas. Ele jamais usam objetos que poderiam distraí-los de sua disciplina, como camisetas estampadas ou roupas caras. Todos raspam completamente as cabeças, inclusive as mulheres.

Refúgio: Eles preferem locais muito remotos, como topos de montanhas ou ruínas antigas que de alguma forma tenham sido associadas ao misticismo. Eles vivem comunalmente em Refúgios chamados Templos, que são necessários para alcançar sua disciplina chamada Bardo. Esses Templos são adornados com símbolos mágicos, principalmente egípcios, mas também de origem oriental - os Filhos de Osíris têm-se tornado muito ecléticos em seu misticismo, como pode ser visto na Disciplina Bardo. O Grande Templo se encontra numa montanha nevada no Nepal, praticamente inacessível ao mundo. O Primeiro Templo, destruído eras atrás pelos Seguidores de Set, está abandonado, soterrado pelas areias do Egito.

Antecedentes: Todos os seus integrantes provêem de outros clãs ou são Caitiffs. Existem, portanto, pouquíssimos Neófitos entre eles, mas como a filosofia dos Filhos de Osíris exige de seus integrantes um nível alto de Humanidade, também é raro que eles recrutem Anciões. O nível mínimo de Humanidade que um vampiro precisa possuir para ser convidado é 8.

Disciplinas: Qualquer uma que os Membros possuíssem antes de pertencer à seita; além disso, todos devem aprender a Disciplina Bardo.

Prestígio de Clã: O Prestígio é obtido pelo número de Filhos de Osíris que alcançaram um equilíbrio sob o exemplo e a tutela do vampiro em questão. Isto não costuma ser uma forma de tutela forçada. É mais como aprender simplesmente pelo exemplo. Assim, os Membros cujas existências são mais puras ganham mais status.

Criação de Personagem: Visionário, Penitente e Perfeccionista. Depois de alguns anos entre os Filhos, a natureza e o comportamento serão os mesmos. Eles não alimentam ilusões sobre si mesmos.

Citação: "Somos aqueles que negaram o chamado da Besta. Ela não uiva mais em nosso íntimo, porque nós a calamos. Renascemos à Luz da Tradição, a única luz a qual nossa espécie pode resistir agora. A Verdadeira Luz da Humanidade. Somos amaldiçoados, mas, através da Vontade e da Contemplação, podemos encontrar a redenção."





Bardo


Esta é a disciplina dos Filhos de Osíris, passada de uma geração para outra desde que o próprio Osíris a descobriu. Ela consiste no alcance de um estado constante de consciência mística, que se consegue apenas pela prática dos hábitos rígidos e ascéticos dos Filhos de Osíris. Seu nome é uma palavra tibetana que significa o meio-mundo, o lugar entre a vida e a ressurreição. Esse é o reino onde reside a consciência dos Filhos de Osíris.

Esta disciplina não é o mesmo estado que a Golconda. A Golconda é a aceitação da forma como as coisas são, enquanto as disciplinas dos Filhos de Osíris se baseiam na negação. Eles negam a besta dentro deles concentrando-se intensamente em sua Humanidade e em seu estado de morte. Se um Filho de Osíris abandonasse sua meditação e suas disciplinas, ele seria tomado por sua metade sombria, reprimida, e há muito negada: a Besta libertada.

O Filho de Osíris precisa manter sua Humanidade igual ao nível mais alto de habilidade, para não perder essa habilidade. Por exemplo, um Filho de Osíris precisa ter Humanidade de 9 para alcançar o nível 9 em alguma habilidade. Se a Humanidade de um Filho cair abaixo do nível exigido, a habilidade desse nível será perdida, precisando ser adquirida novamente com pontos de experiência. O Filho pode neutralizar isso com o primeiro nível da disciplina.



* Restaurar a Humanidade: A primeira disciplina ensinada aos novos Filhos de Osíris é a habilidade em readquirir a humanidade perdida. Esta habilidade precisa ser empregada no máximo uma semana depois da perda. O usuário precisa meditar por uma hora por ponto que está tentando readquirir. Então, a Consciência e a Empatia são testadas com uma dificuldade igual ao nível de Humanidade que se pretende atingir. O número de sucessos é o número de pontos de Humanidade readquiridos (embora não possa readquirir mais do que foi perdido). Caso o teste redunde numa falha crítica, o usuário precisa pagar uma penitência antes que esta habilidade possa ser usada novamente. O Rei Imortal do Templo pode recomendar as medidas adequadas. Caso esta habilidade seja usada com eficiência no espaço de uma semana depois da perda da humanidade, todos os níveis de Bardo perdidos também são readquiridos.

** Banindo o Sinal de Thoth: O Filho de Osíris aprende um gesto místico que pode defendê-lo contra toda influência sobrenatural. O Filho testa sua Destreza e Ocultismo com uma dificuldade de 8. O número de sucessos é o número somado ao teste de dificuldade de qualquer poder sobrenatural que esteja tentando funcionar sobre o Filho de Osíris. Esses poderes incluem Taumaturgia, Disciplinas vampíricas (Dominação, Presença, Auspícios, etc), magias espirituais lupinas e os encantos das Fadas. Ela também funcionará contra a Fé dos mortais que estejam tentando fazer o Filho de Osíris recuar, ou feri-lo com sua Fé. Segundo os rumores, esta habilidade foi ensinada dos Filhos de Osíris por Thoth, um antigo mago e aliado poderoso de Osíris. Ninguém sabe se ele era um vampiro ou um mortal poderoso, ou mesmo se ele existiu realmente.

*** Dom de Ápis: Este nível de habilidade libera o Filho de Osíris da maldição de Ter de beber da humanidade para sobreviver. O Filho pode beber de animais e obter seu sangue com a mesma nutrição que obteria com a Vitae dos mortais. Contanto que os rituais apropriados sejam mantidos, esta habilidade não diminuirá com o tempo. O Grande Rei Imortal dos Filhos de Osíris não bebe sangue humano desde a queda de Roma.

**** Pilar de Osíris: Os Filhos podem criar um Pilar de Osíris, o centro de um Templo, onde podem realizar o estudo e a meditação do Bardo. Para todos os feitiços e disciplinas sobrenaturais praticados dentro do Templo, subtraia três pontos da dificuldade. Contudo, se um Filho de Osíris passar muito tempo fora de um Templo, aumente a o teste de dificuldade para evitar o frenesi em um ponto. Além disso, a freqüência com que se é tomado pelo frenesi aumenta: mesmo depois de alguns meses, os aborrecimentos mais leves podem acioná-lo. Apenas uma rotina de meditação num Templo pode impedir essa degeneração.
A maioria dos Filhos de Osíris residem num grande Templo, onde os colegas de seita os ajudam a manter rigorosamente seu caminho. Mas, ocasionalmente, um Filho de Osíris pode precisar sair para o mundo exterior a serviço da seita. Este nível de habilidade é vital para a saúde mística do Filho.
Qualquer lugar pode ser transformado num Pilar depois de um Ritual que dure uma noite inteira. O Pilar é um conceito abstrato de um centro místico, não requerendo um pilar físico. O Filho de Osíris testa Força de Vontade contra uma dificuldade decidida pelo Narrador, dependendo da natureza do lugar. Uma caverna remota, jamais perturbada pela violência de vampiros ou mortais, teria apenas uma dificuldade de 5. Mas um apartamento numa rua de alta criminalidade teria uma dificuldade de 9. Uma casa de subúrbio numa bela vizinhança ficaria entre dois extremos, com uma dificuldade 7. O número de sucessos é o número de semanas que o Templo pode ser mantido antes de ser preciso outro ritual.

***** Paradoxo: Com este nível, o Filho de Osíris adquiriu conhecimento suficiente em seus estudos místicos de modo a compreender a natureza ilusória do mundo. Ele pode proferir um comentário extemporâneo sobre isso, normalmente uma frase ou um haiku aparentemente desprovido de sentido.
O Filho de Osíris testa seu Raciocínio + Manipulação contra a Força de Vontade de cada ouvinte. Qualquer um contra quem ele seja bem-sucedido é tomado pelo conhecimento da unidade essencial do universo. O ouvinte estará em transe, precisando fazer um teste de Força de Vontade (dificuldade 7) para ser bem-sucedido em qualquer ação durante o restante da cena. No final da cena, o conhecimento desaparecerá, afundando nas ilusões da mente.
A pessoa afetada pelo paradoxo precisa somar um ponto a qualquer dificuldade para ferir o Filho de Osíris depois disso, porque parte de seu ser ainda lembrará da benção ofertada pelo Filho de Osíris, mesmo que por um breve momento.





Fonte: "Os Caçadores Caçados" (Butok's HP)

[Voltar]