Make your own free website on Tripod.com


§ Técnicas de Tortura Tzimice §

É um fato "nada prazeroso" informar que grande parte da cultura Tzimisce gira em torno dos caminhos e maneiras de machucar outros seres. Muitos grupos irão compreensivelmente preferir ignorar este aspecto do clã. Ainda assim, Tzimsce são chamados de "Demônios" por uma razão. Talvez o que você leia aqui faça concordar com o nosso apelido, tão bem colocado.

Preparação psicológica é vital para qualquer sessão de tortura. As Disciplinas Tzimisce servem admiravelmente bem para a tortura. Vissicitude permite o torturador assumir uma forma apropriada: talvez um bonito membro do gênero que a vítima é atraida, para aumentar sua vergonha; ou talvez uma criatura hedionda, para aumentar sua repugnância; ou mesmo a forma do pior inimigo da vítima... Auspex permite o Tzimisce descobrir os medos e os piores segredos da vítima, e também para discernir quais áreas do corpo da vítimas são particularmente sensíveis.

As Disciplinas Tzimisce também são de grande valia na sessão de tortura em questão. Vicissitude permita ao torturador ser o seu próprio kit de ferramentas, transformando as extremidades do corpo do torturador (ou da vítimas...), em uma variedade de implementos intrusivos perfeitamente moldados para a vítima (ou nem tanto, conforme a situação...). Fazer o osso trespassar a pele da vítima para ser a mordaça sempre é desconsertante - e se torna difícil ouvir um grito se a língua da pobre alma estiver colada no céu da boca... Animalismo permite convocar uma grande variedade de animais nocivos (particularmente aqueles que inspiram pânico na vítima).

Obviamente tortua física tem seus limites, particularmente contra vampiros. A maioria dos elders provavelmente já experienciaram um trauma físico massivo pelo menos uma vez em sua vida em morte. Além disso, não se pode usar certas técnicas em Kindred, como amputação ou castração. E como ameaçar um Nosferatu com desfiguração? Mesmo mortais mostram uma resistência surpreendente.

Infelizmente para algumas vítimas, Tzimisce são igualmente hábeis na tortura emocional. Séculos de vida em morte dão ao torturador Tzimisce um nível formidável de perspicácia psicológica. Além disso, o controle que os Tzimisce tem sobre o Laço de Sangue fornece ao torturador uma variedade de maneiras demoníacas para machucar a vítima. Dois vampiros podem ser forçados a ter Laço um com o outro e então um pode ser dolorosamente desfigurado diante dos olhos do outro. Alternativamente, o Tzimisce pode quebrar o Laço de um, deixando o outro ainda com o Laço; então refazer o Laço, mas desta vez com o torturador e induzi-lo a cometer as maiores atrocidades, físicas ou emocionais, com a vítima ainda enfeitiçada.

Certos Tzimisce alcançaram um nível sobrenatural nos camminhos da tortura. O padre Sabbat Stefan Kostas ainda fala com orgulho de como ele extraiu informações militares vitais de um Arconte Gangrel, usando apenas uma navalha, três agulhas, uma caixa de fósforos do Hotel Holiday, um tubo de borracha e uma garrafa de cloro...






Texto encontrado na Jyhad Home Page